current time

sábado, 25 de Março, 2017 - 06h42

website utilities

Ministério Público quer processar Facebook e Lulu, saiba por quê

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito, nesta última sexta-feira (29), contra a Luluvise (a criadora do aplicativo "Lulu", para smartphones) e o Facebook. 

De acordo com a nota divulgada pelo órgão, a Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor diz que a proposta do aplicativo - Lulu - em parceria com a rede social - Facebook - "é capaz de ofender direitos da personalidade de milhões de usuários do sexo masculino". 

O Ministério Público ainda diz que o perfil do aplicativo "evidencia a ofensa a direitos existenciais de consumidores, particularmente à honra e à privacidade, ensejando medidas administrativas e, eventualmente, condenação por dano moral coletivo". 

Lulu?

Para quem esteve ausente das novidades, o "Lulu" é um aplicativo que permite com que as mulheres façam avaliações sobre os homens que usam o Facebook. Através das hashtags, elas podem descrever o homem em vários aspectos - como a performance sexual, por exemplo. 

Segundo o MP, a rede social e a criadora do aplicativo têm até cinco dias para poderem se pronunciar sobre o caso. 

Para quem não sabia, ainda nesta semana - quarta-feira (4) - será lançado o Tubby, uma versão masculina do Lulu, que permite com que os homens façam exactamente as mesmas avaliações em relação às mulheres.